domingo, 23 de dezembro de 2007

Série Natal - Galeria de Mcxuxus





















O famoso quem, Peter Facinelli, é marido da super fofa Jennie Garth (ex-Barrados no Baile). Os dois tem três filhos - inclusive a primeira filha do casal se chama Lola(!).




Me apaixonei por Peter em 2003, com a série Fastlane, que teve apenas uma temporada sem um final descente, desapontando todos os seus três fãs. [Eu, o Bart e o Rodolfo. Mas eles gostavam da série por causa da Tiffani Thiessen (ex-Barrados no Baile também!)].

Agora, para o meu deleite, a série está de volta na Warner e posso vê-lo novamente, todo domingo.


O xuxuzão também participou do filme “Escorpião Rei”.


Se você não gostou, paciência... Eu quero de Natal.


Bitocas da Lola

sábado, 22 de dezembro de 2007

Série Natal - Meu Espírito de Natal

FOTO: Pinheiro de Lego, de Jean-Charles de Castelbajac, na 12a edição da exposição "Les Sapins de Noël des Créateurs", que começou em Paris no dia 7 de dezembro e fica até o dia 2 de janeiro, e que reuniu grandes nomes da moda e do design para a criação de árvores de Natal únicas e divertidas.
O crédito da foto e do texto ai em cima é do site Casa da Chris, da jornalista Chris Campos que também está nos nossos favoritos (Outros livres-pensadores). Para ver mais da exposição clique aqui.


Breve explicação: Sumi porque meu pc estava com defeito. Na verdade ainda está, mas voltou da assistência e pelo menos está ligando. E isso eu resolvo direito - junto com um monte de outras coisas que só serão resolvidas - no ano que vem.

Vamos direto ao assunto: o Espírito de Natal... O que é o Espírito de Natal?

Eu também colaboro para a coluna de saúde do jornal-da-cidade-lego. E essa semana fiz uma entrevista com um psiquiatra, que manifestou sua vontade de falar sobre as emoções do Natal...pois então este foi o tema da entrevista e "o que é o Espírito de Natal" foi a minha primeira pergunta.

Previsível demais? Ok. Mas quando eu não tenho uma definição minha, me desculpem, eu preciso emprestar.

Funcionou? Não. A explicação dele era bonitinha. E meus "Natais" não são cheios de boa vontade, alegria, etc.

Mas no decorrer da entrevista falei dos sentimentos estanhos que nos invadem nessa época "comercial de margarina". E descobri que é bem normal ter toda essa angústia num momento onde todo mundo parece perfeitamente feliz. (Depois, se houver algum interesse de algum leitor, posso publicar alguns pedaços da entrevista pra melhor esclarecer essa parte).

Bom, vamos às minhas particularidades: desde que perdi alguns entes queridos, a data não tem mais nem 20% de seu significado original. Talvez nunca tenha tido o "significado original" que comumente se atribui ao Natal, mas a verdade verdadeira é que essa data me faz lembrar com mais força que eu não tenho essas pessoas aqui comigo.

Se existiu algum Papai Noel em algum lugar no mundo esse seria o meu avô. O verdadeiro bom espírito natalino vivia nele. No ano retrasado, no seu último Natal, ele me deu um cartão. Uma das raras pessoas que cultivavam o costume. E saber que ele escolhia o cartão de cada um, com cuidado e dedicação, me emocionava. E me emociona até hoje. E faz falta.

Outra que carregava o tal verdadeiro bom espírito natalino era a minha avó. Ela fazia aqueles doces maravilhosos que só ela sabia fazer. Ela sabia que eu odeio comida de Natal e esta seria provavelmente a época em que eu mais perderia peso, não fosse o dom da minha querida, que preparava pudim, pavê de bombom e outras delícias doces pra rechear a minha barriga vazia na noite da ceia.

Essas lembraças podem constituir um Espírito natalino? Não sei, só sei que não me sinto "natalina". As casas da cidade-lego não estão muito enfeitadas. Já faz uns anos que a decoração natalina leguense foi pro buraco. Aqui, definitivamente, não é a morada do tal Espírito.

E afinal, como é o MEU ESPÍRITO DE NATAL? O meu Espírito de Natal tem amigdalite. O meu Espírito de Natal gosta de azitromicina e hospital. Eu sempre fico doente nessa época cheia de sol de rachar, chuvas intermináveis e ventanias inesperadas.

O meu Espírito também é bem consumista, e nunca se cansa de comprar na tentativa - que toda mulher faz - de ser feliz por ter um guarda-roupa mais volumoso.

Mas enfim...para a data em si, não tenho grandes expectativas... o que contribui para a ausência do meu "natalinismo".

Contudo, devo confessar que o cartão da Maria Julia - que chegou diretamente da Big Apple - sem dúvida me arrancou boas gargalhadas. Minha meta para o próximo Natal é fazer com que ela me convide para passar o Natal nos Estates, com seu futuro marido e quem sabe até um possível rebento.... hahahaha... (Acho que por essa eu vou até apanhar...né jujuba?)

Cheia de idéias não-natalinas pipocando na cabeça, me despeço, com um pouco menos de peso na consciência por ter postado algo - mesmo que bem mequetrefe - sobre o Natal.

Desejo a paz, o bem e tudo mais que todo mundo deseja nessa data tão feliz (!?).

Beijos da Lola

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

Série Natal

Como eu gostei da idéia da Lola e adoramos séries também, eu continuo com a Série Natal em...

Coisas que não podemos ter!

Nem todo mundo tem o quer de Natal, ou no resto do ano inteiro, mas mesmo assim tentamos resgatar coisas do passado ou sonhamos com aquilo que não temos.

Eu e a Lola na nossa condição de irmãos-neuroticamente-gêmeos-separados-no-nascimento sonhamos e almejamos praticamente as mesmas coisas como:


O corte e a cor de cabelo que um dia já tivemos!

A gente tenta, a gente corre atrás, a gente paga caro, a gente até faz simpática do cabelo bom, mas nada, absolutamente nada da certo!
A confusão interna exteriozada citada pela Lola é fato em nossas cabecinhas neuróticas!
Eu sou uma imagem Bitmap 256 cores.



Em segundo presente que não vou ganhar é...


Não porque eu não queria, mas esse ano eu descidi comprar uma camiseta no lugar de uma Ferrari.
Vou esperar o Natal de 2055 quando sair o modelo mais avançado, sabe aquele...que Voa!

E por ultimo, eu não vou passar com...


Ai, ai...Não vou passar o Natal com tanta gente....

Beijos do Kio

Do reconhecimento neurótico!

Porque bêbado eu penso melhor!

Ao sentar na frente do computador e tentar relatar meu final de semana pós-apocalíptico para vocês meus queridos leitores, me apego ao seguinte fato de que: Eu penso melhor bêbado, pois sentado agora na frente do pc me toquei de que não consigo analisar os fatos e tentar fazer um cross (Yes baby, i do Cross!) dos assuntos e passa-los de forma neuroticamente digna para vocês caros amigos.

Então recorro ao antigo, ao inesperado, ao chato e faço listas! (Sim porque eu faço listas, e listas são tão neuróticas![mas listas são um compromisso tão chato e tão difícil de ser seguido]{e ficar colocando as coisas entre parênteses e colchetes é tão matemático})
Mas voltando ao assunto - Lista do final de semana:

Trabalhei igual um condenado e fui direto para a balada com meu amigo Thales e o cara que eu queria ficar – O Érico.

O Érico e O Thales foram antes e eu os encontrei direto na baladinha!

15 minutos dentro da balada e já com amigos neuróticos eu já estava bêbado e ansioso por finalmente beijar O Érico.

+ 15 minutos depois que já estava bêbado e procurando novamente os amigos neuróticos que estavam + bêbados e se perderam de mim, eu os encontrei...

... No terraço da balada se beijando! Mas ate ai eu estava bêbado e o fato não me importou!

Beijei O Èrico...

...Continuei beijando O Érico ate que... (aqui eu faço uma recapitulação de fatos passados: O Érico ficou com um amigo meu que aqui chamaremos de Terceiro! Terceiro levou O Érico para passar o domingo com a gente. Eu meio que fiquei afim dele e como o Terceiro disse que não ia ser nada sério entre eles eu tive a iniciativa de: Adiciona-lo no orkut, corteja-lo com minhas idéias neuróticas e convida-lo para sair nesse sábado. Feito tudo isso, volto ao assunto!).
Ele começou a te as idéias erradas, eu creio, sobre a minha pessoa e veio com os pensamentos pecaminosos e as mãos bobas para cima de mim.
Tudo bem que não nego o fato de que sou meio atirado, mas quando estou afim de uma pessoa eu jogo o jogo do “Kio Santinho e Sedutor”.

O que me lembra que o “Kio Santinho e Sedutor” é um idiota.

Fatos ocorridos, fatos analisados, fatos engavetados. Depois no domingo conversei com O Érico e ele me pediu desculpas e me deixou um scrap fofo pelo msn.

O que me deixa com medo porque: Ele é legal, ele é bonito, ele lê o blog e ele concorda com tudo escrito e segue teorias mequetrefes, tanto que até mencionou uma delas esse sábado mas eu estava muito bêbado para lembrar!
Por isso o titulo No SENSE deste post.

Sábado que vem acho que vamos sair juntos de novo! Não fiz o convite ainda, mas tenho quase certeza de que se eu o fizer, ele aceita!

Contanto que a noite seja de exclusividade minha e O Thales pare de dar em cima do cara que eu to afim!

Fim da lista,

Beijos, Kio. (mas agora começam os PS)

PS. Entre bebidas ingeridas deste final de semana estão: Catuaba, cerveja, whisk. Vodca, cuba libre sendo que eu vomitei só a coca da cuba, 03 doses de tequila e uma garrafinha de água porque sobrou credito no meu cartão (e peguei também mais três cervejas)
PPS. Ou seja: Eu fiquei muito bêbado... Eu sou maior de idade ta gente!
PPPS. Érico se você ler este texto já fica o convite para fazer alguma coisa durante a semana ou no final de semana!
PPPPS. O próximo texto se alguém me lembrar, eu gostaria de falar sobre uma matéria que eu vi ontem no fantástico, falando que assumimos papeis diferente do que somos na hora da sedução e que com o passar do tempo relacionamentos se desgastam porque eles começam a deixar toalhas no chão e assistem futebol o domingo inteiro!
Uhmmm....vou analisar o “kio santinho e sedutor”

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

Coisas que não podemos ter - Série Natal

OK. Aqui vai o presente de Natal que eu não posso ter:



Não posso ter pelo simples fato de achar um absurdo pagar 10 vezes mais do que o preço de um pen drive comum. Tudo bem que você pode usar esse no pescoço...maaaas....

Este é o "tamanho" do coração: 2 GB por US$178. Produzido pela Philips em conjunto a minha queridíssima Swarovski.

Outra coisa que eu não posso ter de Natal:


Sim! Não posso ter meu antigo cabelo de volta!! Agora eu sou obrigada a passar pelo menos 1 ano e meio com essa coisa indefinida na cabeça (como se não bastasse toda a confusão que tem lá dentro, pra variar, ela precisa ser exteriorizada!!!)!

Por mais que eu implore pra cabeleireira "Amiga querida salve salve cabeleireira! Estrague meu cabelo um pouco mais, mas pelamordedeus, deixe-o com a cor original!" ela não me ouve! Nada. Nadinha. Então ela taca uma cor escura na minha cabeça, que desbota em 72 horas. E então meu cabelo volta a ter cor de água de salsicha. Ah...Deus que me livre da tentação de tacar o vermelho-ultra-power-ninja-jiban-jiraya-changeman-maravilha e terminar com essa angústia do cabelo de 36 cores.

E por último...


Oh yeah baby...

Vai ser uma pena passar esse Natal sem o Johnny...

Beijos da Lola

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

If You Got What It Takes...Call Me!


Depois de algum tempo sem ter o que dizer, ainda não tenho nada muito bom pra falar. Vou bancar a escritora de livros do tipo “Ele está afim de você?” no maior estilo Neurótico-Moderno-Filósofo-Mequetréfico.


Hoje vou manifestar aqui minha invejinha boa da pessoa que tem um relacionamento com alguém...

1 – ...Legal...

2 – ...Que faz bem pra ela...

3 – ...Que gosta de fazer bem pra ela...

4 -... Com quem tem química...

5 – ...E ainda gosta


Esses cinco quesitos vou chamar aqui de Cinco Fundamentos Básicos Para Um Relacionamento Bem-Sucedido ou simplesmente CFBPURBS.


Pois é. Encontrar alguém com quem seja possível desenvolver os Cinco Fundamentos Básicos é quase tão difícil quanto pronunciar esta sigla.


Vamos falar mais sobre eles, por partes:


1 - Alguém legal


O que é “alguém legal”? Bom xuxus e xuxuas do meu Brasil (e dos EUA também, Jujubinha!), vamos combinar que “alguém legal” é uma coisa bem relativa né?


Vai do gosto – e desespero – de cada um de nós. Quando você tem 15 anos, o “alguém legal” é o modelinho-bobão do 3º colegial, que se acha se acha a última pedra de gelo da forminha.


Quando você tem 20 e alguns, o máximo é o cara de quase 30 que sabe muito mais do que você. Para os caras de 30, o máximo são as garotas de 18 que não sabem metade das coisas que as garotas de 20 e alguns sabem.


E para uma pessoa que beira os 50, o máximo pode ser, por exemplo, um ex-namorado meu de 24 anos, com sérios problemas psicológicos, que eu, por exemplo, achava o máximo só quando tinha 19.


Como podem perceber, a coisa é mesmo muito particular.


Mas se você encontrou “alguém legal” dentro dos seus parâmetros de seleção, já tá no lucro. Mas não pare por ai. Se você quer uma CFBPURBS, precisa continuar analisando!


2 e 3 - Alguém que te faz bem e que gosta de te fazer bem


Parece a mesma coisa. Mas não é. São duas coisas beeem diferentes por sinal. Uma pessoa pode ter boas intenções, mas acabar fazendo tudo errado. E também pode te fazer bem porque ser agradável é um dom natural dela.


Quando você encontra alguém naturalmente agradável é ótimo. Mas isso pode ocasionar problemas futuros, caso a pessoa seja agradável demais com todo mundo. Não é uma questão de ser simpático, bacana. Lembre-se que essa pessoa passou pelo primeiro item da análise, e isso implica ser legal!

E é bom que esse alguém seja legal, agradável, com você e com outras pessoas. Contudo, tome cuidado porque um cara que faz bem pra você e pras torcidas desde o Mengão até o 15 de Piraporinha... ah! aí não é bom, não... Por isso, analise bem! Diferencie o galinhão do chester!


E, caso esse indivíduo que é legal e te faz bem ainda por cima GOSTAR de te fazer bem...então xuxus e xuxuas, abracem.

Como identificar? Uma maneira fácil: ele te faz companhia naquelas furadas que você se mete... e ainda consegue ser legal e te fazer bem lá! Vai na festa de aniversário do seu sobrinho pirralho chato, churrasco do seu 3º colegial, etc...Ah neuróticos queridos, abracem com força!


4 – A química


Não é papo de “Nova” ou “Marie Claire”. Nós, neuróticos modernos, sabemos: O abraço forte não rola sem a bendita química.


O alguém pode ser fofo. Pode ter o dom natural de agradar. E pode fazer malabares, pirofagia e várias artes circenses pra te arrancar um sorriso naquele seu pior dia de TPM, ou no dia em que seu time perdeu. Mas se não tem química...Bom, nós já sabemos.


Muita gente se submete a um relacionamento sem a menor química porque a pessoa é legal, é bacana, é agradável. Muitas pessoas até se CASAM quando encontram apenas os três primeiros fundamentos básicos. Eu afirmo, dentro de toda a minha experiência e estudo em teorias mequetrefes, que esse é um erro comum e gravíssimo. A sensação de insatisfação pode durar o resto da vida – ou melhor, do casamento.


Por esta razão acredito que o 4º Fundamento seja muito importante. Mas para que a relação seja de fato bem-sucedida, ele deve ser precedido dos outros três.


5 – Gostar da pessoa


Gostar, adorar, amar. Vai da nomenclatura da sua preferência. Vai do jeito que você sente a coisa toda. Mas você, xuxu ou xuxua nacional ou internacional, sabe do que estou falando.


Muitas vezes a pessoa tem tudo o que se precisa na teoria, mas o interesse por ela simplesmente não vem na prática. Paciência.


Atenção! Gostar de alguém de verdade é algo que leva tempo. Por isso o fundamento fica em 5º, seguindo uma ordem cronológica de acontecimentos no desenrolar da relação, mas na minha opinião mequetrefe isso é o mais importante. É o que faz a engrenagem funcionar! E vai muito além da admiração por uma pessoa legal. É muito mais do que a gratidão pelo bem que ela te faz. Mais do que toda aquela sensação boa dos encontros...etc, etc, etc, blablablá, tec tec tec...


E não raramente, você acaba gostando de alguém que não é tão legal, que não te faz muito bem, que não se importa muito contigo e que nem sabe se tem química. Gostar não depende de nada. Só acontece. Mas também não basta.


Então a lição do dia é: Antes de se relacionar com alguém, abra o Word e digite o formulário. Depois pegue uma folha de papel A4 e imprima dois – um pra você e outra pro McSomething. Quando vocês responderem “OK” para todos os CFBPURBS, pode me ligar e me chamar pra ser a madrinha do seu casamento!


Beijo da Lola mais neurótica, moderna e filósofa mequetrefe do que nunca


Ps: Postei às 22h30...e o blog diz que foi às 19h e qualquer coisa. Vai entender esse relógio...

sábado, 1 de dezembro de 2007

Milagre!!!

Em plena sexta-feira - que costuma ser o start-do-ápice-do-caos-da-minha-semana - aconteceu o que a essa altura eu já imaginava impossível......: meu monitor voltou ao normal!!!

Agora eu tenho um monitor em cores again! Viva!!!

E vou poder ver Grey's Anatomy "normal", sem todo mundo parecer morto!!!

Beijos da Lola, feliz com seu monitor fênix.

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Ligações telepáticas

Um pouco de insanidade não faz mal a ninguém!


Quando eu era pequena assistia X-Men na TV Colosso. E meu sonho era ser a Jean Grey.


- Pausa para parênteses -

(Engraçado como a maioria das minhas heroínas de infância são ruivas!)


Eu adorava a tal da telepatia. A idéia de se comunicar por pensamentos não é só prática. Seria a solução de 85% dos meus problemas. Imagina só que incrível se, em vez de tentar verbalizar – sem muito sucesso muitas vezes -, pudéssemos simplesmente dar um “cartão de livre acesso temporário da mente” pra alguém? Imagine só os benefícios para as comunicações e relacionamentos?!


Sei que muita gente ficaria apavorada com o poder de “ler pensamentos”. Mas aos meus olhos parece a verdadeira revolução da comunicação. Muito eficiente. E é lógico que haveria algum tipo de trava – o cartão é temporário, lembrem bem!


- Agora pausa para a introdução de um outro assunto –


Faz algum tempo que eu desisti de conversar com as pessoas. Eu percebi que falar sobre certas coisas não muda nada na minha vida. Nem na dos outros. Nem nada.


Provavelmente você, amigo neurótico, já passou por uma fase onde tudo vira do avesso na vida. As palavras ditas não são entendidas como devem ser. [Deve ser algum erro do meu cérebro. Eu não devo estar me expressando direito ultimamente. Sei lá. Algo errado. Bem errado]. Então você percebe que deve tomar alguma atitude. Percebe que algumas coisas não funcionam mesmo, não valem a pena. E outras precisam de um tempo.


Por isso me enfiei no meu micro-templo-budista-caseiro. Pausa para reflexões e tudo mais. Algumas vezes bate a solidão. É difícil estar num retiro-espiritual-budista-interno.


- E agora o cross (“cross” é o novo preto aqui no blog hã Kio?? rs) dos assuntos -


Nessa agonia que bate as vezes dentro do meu círculo-pessoal-psicanalítico-mequetréfico, descobri que desenvolvi uma comunicação praticamente telepática com algumas pessoas.


Sabe aquele amigo que não importa o tempo que passa, vocês se encontram – ou se falam por qualquer outro meio – e parece que nunca se distanciaram? Pois é. São essas as algumas pessoas com as quais eu consigo me comunicar telepaticamente.


Este tipo de comunicação não está muito evoluído ainda. Há a necessidade de alguma manifestação verbal para que os dois lados tenham certeza de que um está com saudade do outro. Mas comprovem pelos fatos:


Fato 1 - Esperava a ligação de uma amiga há meses. Eu havia ligado há algum tempo pra colocar o papo em dia, ela não podia falar e ficou de ligar depois. Naquela semana estava refletindo sobre o valor da amizade e confesso que fugi dos ensinamentos de Sakyamuni, ficando bem irritada com o fato de que ela não me retornava a ligação. Numa péssima noite de sábado, por volta da 00h, toca o celular. Era a tal amiga, dizendo que andava refletindo sobre a amizade, que estava meio revoltada com a ingratidão das pessoas, e me chamou para passar um final de semana em sua casa.


Fato 2 – Tenho um grande amigo com o qual briguei. Ficamos cerca de um ano – ou será que foi mais? – sem conversar. Voltamos a conversar faz bastante tempo já, do nada. E eu, nesse retiro espiritual, conclui que carregava uma certa insegurança, pois não moramos mais na mesma cidade, e assim a amizade nunca mais seria a mesma, e que ele não devia mais gostar tanto de mim como antes, e que eu consigo expressar o quanto gosto dele, etc. Eis que recebo palavras lindas que mandaram toda a insegurança embora numa vazia e triste noite de domingo.


Fato 3 – Hoje refleti sobre a distância dos meus queridos. Como podem perceber, nenhum dos amigos supracitados vivem no mesmo sítio que eu. Tenho grandes amigos em São Paulo, Rio de Janeiro, Jundiaí, Marília e Londrina. E hoje especificamente pensei em um amigo de Londrina que tem a cidade-lego como sua cidade-natal. Entro no orkut e lá está um testimonial do meu querido conterrâneo, dizendo que estará em Botuca-Lego-City na semana que vem e quer me encontrar.


Se não é telepatia eu não sei o que é, people. Só sei que de repente meu retiro-espiritual-budista-interno-círcular-pessoal-intransferível-psicanalítico no micro-templo-budista-caseiro-mequetrefe não me parece tão solitário hoje.


Beijos da Lola, refletindo agora sobre quem irá cuidar de seu gato-bebê quando viajar para a casa da sua amiga.

terça-feira, 27 de novembro de 2007

Desordem geral!

Porque só a desordem mental não é suficiente!




Pessoal, me desculpem pela ausência...
As idéias pipocam na cabeça...mas estou com alguns problemas de (des)ordem material.

Pois é caríssimos. Pasmem! Dessa vez a coisa não é emocional!

Vou fazer a lista:

- Meu computador quebrou.

É, além da tela azul, agora ele acusa problemas misteriosos de memória. Não consigo mante-lo ligado por mais de 15 minutos. Por isso preciso escrever um post breve, e muito rapidamente. Por isso não reparem em possíveis erros de digitação ou acentuação.

- Meu secador quebrou.

Pois é. Fodeu geral. Bem na semana que eu corto meu cabelo "curto" e ele fica armado se eu não secar. Agora preciso esperar secar rezando o terço pra Nossa Senhora do Cabelo Bom. Isso exige concentração. Por isso não posso parar pra postar.

- Quando meu computador funciona, meu gato desliga o cabo da internet.

Já dizia o sábio Kio, meu gato é a encarnação do coisa ruim. Ele sabe desligar a internet! E como disse minha avó, "já já ele vai estar jogando no computador!" O bicho é de dar medo. Mas é super cute.

Mas o pior de toda a desordem é....tchã nã nã nã...MEU QUARTO!

Se uma bomba atômia explodir lá dentro é capaz que organize melhor as coisas. Na cama, uma pilha de roupa. Não durmo mais lá faz tempo, arrumei outra cama em outro quarto. Pois é, sou espaçosa. Mas não sou a única. Contando minha situação calamitosa pra uma amiga, descobri que ela também tem duas camas - uma pra bagunça e outra pra dormir.

Roupas, bolsas, acessórios em geral. Sim, eles precisam de uma cama de casal pra combinarem com toda a desordem da minha vida. Em cima da cômoda então, meu Pai celeste! Eu não consigo achar nem as gavetas...

O chão virou um grande armário de sapatos. E tênis. E sandálias. E chinelos. Pra que guardar se eu preciso usar qualquer hora? Assim fica mais a mão. Ou melhor, mais perto do pé. É só entrar no quarto, e calço o primeiro que tropeçar.

Ainda bem que as meias estão por cima das pilhas de roupas.

E se vocês acham que eu misturo roupa suja com roupa limpa nessa loucura toda, estão enganados. O que está sujo vai pro cesto. Pelo menos isso eu ainda encontro.

O problema com as roupas limpas é que elas são passadas, mas depois de tanto tempo embaixo das outras roupas, ficam amassadíssimas. Isso quando eu não provo...e ai desaprovo, tiro e largo jogada do avesso em cima das outras roupas, em cima da cama, em cima do chão cheio de sapatos, tênis, sandálias e chinelos....

Mas por enquanto eu sei onde está cada peça de roupa que eu preciso. O problema é se a gentil senhora que trabalha aqui resolver arrumar. Ai fico uma semana perdendo hora pra tudo, só pra procurar onde tá aquela bendita blusa, ou aquela preciosa calça. Vamos rezar pra que ela não resolva arrumar o meu quarto. Mais um terço pra Nossa Senhora do Quarto Desorganizado.

Amém.

Bom, vou parar por aqui, porque senão o pc desliga e eu perco o texto!!

Beijo da Lola

O cross de assuntos mequetréficos – Das terapias de ocupação da mente neuroticamente ociosa!

Porque figurinha repetida não completa álbum de ninguém!

Boa tarde caro amigo neurótico,

Depois do ultimo post volto com esse, sobre a minha mais nova ocupação matinal de todo santo dia.
Como ninguém sabe, minha avó possui uma Banca de Jornal e como ela esta viajando me propus a tomar conta dos negócios nesses dias de ausência dela.

Como todo neurótico fui todo empolgado na minha nova missão de espalhar as notícias (mesmo que não sejam minhas) no meu humilde bairro-lego.

Mas como todo bom neurótico dei com a cara na porta porque: Ficar na banca é um SACO!
Mas tudo bem a gente releva porque eu resgatei um bom hobby do meu passado: Álbum de figurinhas!

Como eu estou numa banca eu tenho: O álbum, a quantidade ilimitada de figurinhas e tempo de sobra!

Em suma: eu já completei o álbum do Shrek, do Homem Aranha e agora estou no Harry Potter e a Ordem da Fênix!

Essa semana eu ainda acabo o das Chiquititas e o High School Musical!

Pelo menos não estou colecionando homens na minha estante!

Mas se bem que ontem eu resgatei também um ex ex ex Mcdream por quem sou absolutamente louco de... Vou parar por aqui!

XoXo,

Gossip Boy.

PS. Pintei o cabelo!
PPS. Adivinhem de que cor?
PPPS. Nem eu sei! ...
PPPPS. Gente virei Dog Walker! Uma coisa meio NovaIorquina de ser!
PPPPPS. Pra quem não sabe, Dog Walker é a pessoa (eu) que pega o cachorro dos outros (filhos da p...) para passear!

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

Instabilidades estáveis


Quando um aparece é o outro que resolve sumir. Sim, estes somos nós, neuróticos deste blog mequetrefe...

Não vou dizer que não vou justificar minha ausência. Este post é SÓ pra justificar minha ausência: eu não consigo manter a mesma idéia na cabeça pelo tempo necessário para escrevê-la.

Problema de memória? Nãaaaao! Nada disso! Simplesmente não consigo acreditar em algo por mais do que 10 segundos. Não consigo seguir uma linha de raciocínio por muito tempo. Não consigo concluir os pensamentos. São infinitas séries de idéias não acabadas.


Num momento eu daria a vida por acreditar em X. Em uns 7 minutos eu já me tornei
minha pior adversária, discordando completamente de mim mesma!!! Crise de identidade? Múltiplas personalidades? Transtorno Borderline de Personalidade? Transtorno Bipolar??? Não sei! Mas sei que a neurótica não tem forças nem argumentos nem estrutura emocional suficientes pra terminar algum texto.

Como de confusa basta eu, resolvi poupar nossos queridos leitores dessa maluquice (e por isso já vou terminar logo o texto!)!

Enton, hoje não vou filosofar sobre nada. Só vou me desculpar pela ausência e contar que pintei o cabelo, mais uma vez! E cortei também.... está meio fase da Madonna-American Life. Por isso que esta mulher é praticamente nossa mentora espiritual. Você conhece alguém que muda mais o cabelo do que ela?

Beijos da Lola morena-e-castanha-clara-com-tonalidades-ruivas

terça-feira, 20 de novembro de 2007

Desapego do material e da carga emocional

Porque limpar seu quarto também é uma atitude auto-positiva!

Sou daquele tipo de pessoa que se apega aos mais simples papeis, aos bilhetinhos de “oi” e as cartas de amor e carência e ao longo dos últimos 08 anos eu adquiri a capacidade de juntar tanto papel e tralhas bem distribuídos em armários e gavetas do meu quarto!

Hoje, por coincidência ou ausência de destino me dei conta de que inicio uma nova fase da minha vida!
Não sei se contei para vocês meus queridos amigos neuróticos, mas eu passei na faculdade e, portanto se eu fizer a matricula essa semana marco um novo eu: O Eu Universitário!

Mas casos a parte, antes de tudo eu precisava achar todos os meus documentos para poder tirar xérox e autentica-los, mas o detalhe é que: onde estão meus documentos?
Portanto eu passei as ultimas duas horas trancado no meu quarto procurando meu histórico escolar para descobrir que:
Eu tenho 05 ficharios dos meus últimos 05 anos escolares com a matéria de 05 anos dentro de cada um!
Eu tenho mais de 235 bilhetes que eu passava durante as aulas para meus amigos
Mais de 50 cartinhas de amigos escritas para mim!
Mais de 05 contratos de rescisão de empregos inúteis.
Fotos que eu em envergonho ate o ultimo fio de cabelo meio laranja.
Documentos inúteis.
E um pôster das Spice Girls de 1998...
E nada do meu histórico escolar!


Mas o bom dessa garimpada no meu quarto foi poder olhar para meus momentos passados e me orgulhar do caminho que eu escolhi percorrer na minha vida.
Papeis jogados fora e agora é torcer para mais 04 anos de muitos papeis regados a barzinhos de sexta à noite.

Bjos de um Caio Feliz.

Som para neuróticos: Boa Sorte/ Good Luck – Vanessa da Mata e Bem Harper.

PS. O meu histórico estava guardado na pasta de documentos do meu pai.
PPS. Ele disse que fui eu que dei para ele, para eu não perder!
PPPS. Viu gnt como eu em conheço, eu perdi, mas na verdade eu não perdi porque eu previ que ia perder!
PPPPS. Lola você adotou a reencarnação do anti-cristo!

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Contador X Comentários, e meu gato

As vezes o blog me desanima...Não que eu não vibre a cada comentário que recebemos, mas é que é triste saber que tão poucas pessoas participam ativamente de nossas mequetrefadas...

Contudo, hoje atingimos a incrível marca de 4 mil visitas. E ontem a noite o contador marcava 3939. Não sei se alguém ficou atualizando a página pra me deixar contente, mas ó...funcionou! rs

E povo, acreditem, meu monitor ainda tá azul! E parou de me transmitir aquela calma...

Outra coisa que me deixou calma no começo e agora me estressa: meu gato.

Faz uns dias que resolvi adotar um gato. Ele é lindo. E louco. Quer ver?

Tirei um cochilo hoje a tarde e acordei com uma misteriosa dor no braço. Agora a noite tive a magnífica idéia de olhar onde estava doendo...e adivinha só? Um belo arranhão em alto-relevo!

Pois é...achei que tinha encontrado uma boa companhia - afinal, desisti de conversar. E assim que cia poderia ser melhor do que a de um gato? - mas aparentemente o bichano me odeia e tenta me matar enquanto eu durmo. Fazer o que né?!

Beijos da Lola

domingo, 18 de novembro de 2007

Our goddess



Nada melhor do que arrancar toda a uruca do feriado com Confessions on a Dancefloor.

Simplesmente sensacional, renovou a alma pra segunda-feira. Até meu cabelo tá mais bonito! Incrível o poder dessa mulher!

E como não poderia faltar...a última do "caos feriadístico": a tela do meu pc ficou azul. Tá certo que dá uma paz fora do comum...pode ser um sinal do bem e tudo mais...mas sei lá... ainda acho que é algo malígno.

Se depois da meia-noite voltar ao normal vou ter certeza. E se não voltar...genten, aceito monitor novo como presente de Natal!!!

Beijos da Lola

quinta-feira, 15 de novembro de 2007

Feriados - As portas para o caos

Eu já falei que nenhum feriado é de Deus. Mas o efeito é tão catastrófico que atinge até mesmo a véspera.

Confira a minha lista de coisas erradas nesta quarta-feira-véspera-de-um-dia-do-mal e madrugada da quinta:


- No trabalho - Parte I:

Entrevistei um doutor (médico mesmo, não aqueles advogados,

psicólogos, fisioterapeutas e etc. que se auto-intitulam), que sempre achei muito simpático...Mas ele foi um verdadeiro cavalo com uma novíssima troca de ferradura ao telefone. Só para meus queridos leitores terem uma idéia, o cara foi tão equino que depois pediu desculpas duas vezes: por e-mail e por telefone. Sim, ele me ligou para pedir desculpas, mas ai o mal já estava feito, e como é feriado, me dou o direito de deixar o budismo no limbo e guardar tanto rancor quanto for necessário.


- No trabalho - Parte II:

Resumindo bem: em outra entrevista, tudo correu maravilhosamente, a não ser pelo fato do cara não saber muito bem do que estava falando. Quando eu desisti de me explicar e de tentar entender o que ele dizia, pedi algumas informações por escrito. E ele, por sua vez, disse que para isso teria que consultar seu advogado. Ai eu arregalei os olhos e pensei “Meu Jesus, o que será que o homem está entendendo? Será que estou me expressando tão mal assim?”. Depois ele entendeu melhor e também se desculpou. Mas continuei sem entender nada. E aguardo as informações por escrito, na esperança de reverter esse quadro.


- Na cozinha - Parte I:

Baixou a Nigella de novo: inventei de fazer um cheesecake. Sozinha. E lá fui eu sujar liquidificador, vasilhas, vasilhames, colheres, colheres de pau, panelas, garfos, facas, assadeiras, etc, etc, etc.

Confirmei com consagração outro departamento no qual não me saio nada bem, além do emocional.

Saldo final: ovo quebrado no chão; migalhas de cheesecake por toda a cozinha e em cima de outras superfícies também (aposto que tem até em cima da geladeira!); chocolate derretido em cima do fogão; leite atrás do fogão; formigas, muitas formigas espalhadas por todos os cantos da cozinha; vários panos de prato imundos; chão grudento; uma camiseta manchada de chocolate, massa de cheesecake, cobertura de cheesecake e muitas outras coisas que ainda não decifrei; uma pilha de louça que quanto mais eu lavo, maior fica.


- Na cozinha - Parte II:

Adivinha se o cheesecake deu certo? Bom, depende muito do ponto de vista. Ele não está bonito. Não é algo que você apresente pra família. Mas está comestível. Bem que o Valdir me avisou que cozinhar só é legal pela diversão. Limpar é chato, e comer...bom, nem sempre é muito agradável.


- Na internet - Parte I:

Meu computador está com sérios problemas, então não o desligo desde sábado. Não quero correr o risco de não ligar mais, principalmente agora que tem feriado!

Para fazer o cheesecake, ia usar um vídeo da Nigella que está no youtube. Me lembro de algumas passagens, mas tudo muito vagamente. Porém, acredito que deixar o computador ligado esta cansando o pobrezinho. Está tudo muito lento. E eu não consegui carregar o vídeo no youtube, nem em qualquer outro site que tinha a bendita receita. Na verdade, quase não consigo acessar site nenhum. Mas o MSN vai bem, obrigada!


- Na internet - Parte II:

Tá bom, o MSN também me irritou. Mas não foi problema técnico, e sim de presenças não muito desejadas. Conversar tem me cansado. Aguardem post sobre isso...


- Na internet - Parte III:

Este texto foi escrito em word, porque nem logar no blog eu consegui nesta madrugada amaldiçoada pelo feriado. Paciência. Um pouco mais de paciência...Quando eu acordar, posto.


- Na vida cotidiana – Parte I

Sai do trabalho e fui pra casa da minha mãe. Cheguei aqui só umas 9h da noite, quando resolvi entrar na aventura gastronômica. Devido aos problemas com a internet me atrasei bastante, e quando vi já passava Brazil Next Top Model. Bom, pelo menos assim, enfim, consegui assistir! Depois da maratona toda, ia então tomar aquele merecido banho. Liguei o chuveiro e aí...cadê o barulho da água quente? Pois é... no água quente for me. O feriado fez o favor de queimar meu chuveiro. Tem mais o que falar?


Beijos da Lola

quarta-feira, 14 de novembro de 2007

Das Teorias: De Centro de Gravidade e de Substitutos para o Amor.


Porque não basta ficar em pé para achar um grande amor ou correr atras de suas metas!

Nesse período de ausência passei por algumas experiências neuróticas que me levam a fazer um “double-post” de teorias mequetréficas.

Em ultima relação abortada por motivos ainda não esclarecidos, tentei começar namoro com o tipo workaholic,ou seja, viciado em trabalho!(e acreditem se ele fosse viciado em cocaína seria até mais fácil de lidar com o problema).
O vicio por trabalho dele porventura acabou me colocando como segundo plano em sua vida e por final em plano nenhum, o que me leva a pensar: Porque as pessoas acabam criando substitutos para o amor em suas vidas, deixando suas vidas pessoais uma total bagunça!
No filme O Diabo Veste Prada é citado “Sabe quando você esta bem no trabalho, é porque sua vida pessoal esta um desastre!” e essa é a verdade, a vida pessoal dessa ultima pessoa em questão era uma desordem geral. Mas sem jogar pedras na cruz dos outros e julgar as pessoas por metas escolhidas na vida, eu falo por mim que: O Homem feliz é aquele que encontra o verdadeiro amor! E no final das contas metas atingidas é satisfação garantida, como por exemplo, dietas e maratonas sexuais.

Mas fazendo o cross entre assuntos, antes de irmos atrás de nossas metas, mas sempre procurando por amor e não por substitutos que contenham carboidratos, nós (homens, mulheres, gays, afins e novas definições) devemos seguir alguns passos na busca do eu interior.
Essa semana em conversa - neurótica com a Lola, disse para ela que eu vivo caindo na rua e ela me disse o mesmo e lançou a pergunta no ar: Será que somos emocionalmente desequilibrados?
Emocionalmente eu não sei, mas que precisamos achar nossos centros gravitacionais para ficarmos em pé sem deslizar e correr atrás do que é nosso, isso eu tenho certeza que eu preciso trabalhar e enquanto isso fico pelas ruas da minha cidade lego-médio evitando poças e ladeiras (a não quer que alguém bonito esteja nessa ladeira)

Beijos, Carrie.
Quer dizer, Kio.

Trilha Sonora do Post: Kate Nash - Habanera (Tango Version).

PS. Achei meio a lá sex and the city esse post, mas ele fica mais neurótico lido com a trilha sonora sugerida!
PPS. Se você também é um desregulado que vive caindo na rua, parabéns, isso significa que se muitas pessoas fazem, não é considerado excentricidade, ou seja, não é coisa de gente louca.
PPPS. Gente essa Kate Nash é perfeita para noites neuróticas na sala com amigos bebendo tequila no gargalo, portanto fica a dica que: Kate Nash é musica luxo de neuróticos.

A volta do que foi, mas sempre esteve por aqui!


Por falta de tempo e vergonha na cara eu reapareço das cinzas de cigarros e doses de tequila.

Caros amigos neuróticos, lembram de mim? O co-co-co autor que também carrega o nome deste autêntico blog nas costas: Kio, para os íntimos Kio e para os afins Kio.

Das muitas teorias, pensamentos explícitos, ilícitos, utópicos, vingativos, lógicos e imaginativos.
Das muitas conclusões não concluídas, dos muitos fundos de garrafa de vodca, dos últimos cigarros do maço e nas ultimas horas do dia trabalhando.
Fazendo o balanço dos últimos 02 meses, foram meses muito bem recebidos nessa vida neurótica. Acontecimentos únicos que merecem ser mencionados na seguinte lista:(vide que volto fazendo listas, elas sempre acompanham nós neuróticos)
Emprego legal pagando salário descente
Salário descente gasto em contas a pagar.
Sobras do salário descente gastos em noites regadas a muita musica e bebidas destiladas.
Roupas
Mais Roupas.
Vida social ativa.
Vida sexual ativa (e bem ativa)
Vida amorosa como sempre uma bosta!
Numero de pretendentes para vida amorosa: 03 (desistindo de todos os em potencial em menos de horas)
01 vestibular e a grande possibilidade de começar faculdade.
Ou seja, a vida vai boa, obrigado.

A Lola mandou bem no blog nessa minha ausência e queria ressaltar o fato de que ela é foda! E peço desculpas a todos os queridos leitores fieis que lembram de mim e aos novos conquistados pela querida neurótica-ruiva-mequetrefe-única Lola.

Esse post fica em si então como um aviso de que estou de volta, esporadicamente ou diariamente sempre existira um simplório texto ácido-sarcástico de humor negro do neurótico que vós falais.

Cheiros, Kio.
Trilha Sonora do Post: Super Freak - Rick James

PS. Estava com saudade de fazer ps.
PPS. E para não fugir do assunto de ps´s: eu raspei a cabeça e estou com o cabelo bem curtinho preto! Sim foi uma reviravolta numa cena meio Love by Grace.
PPPS. Cheguei à conclusão de que algumas séries são minha vida escrita. A vida da Lola é retratada em grey´s anatomy e a minha... Bem sou uma mistura de Uggly Betty com Californication e uma pitada de Gossip Girls.
PPPPS. Mas somos eternos Gilmore Girls em Sex and The City.
PPPPPS. Baixe o Som do Post e faça uma dancinha a lá Litlle Miss Sunshine

Orkut atendeu minhas preces!

Curiosa por natureza - o que acredito ter me levado a opção pela profissão - criei a comunidade quando o orkut resolveu ser dedo-duro: "5 é pouco".

Achava muito mixuruca aquela bina com apenas 5 últimos curiosos.

Pois hoje, qual não é a surpresa?! DEZ nomezinhos na minha linda página inicial! Ainda não é o suficiente, já que todo neurótico nunca está satisfeito com o que tem, mas já é um começo.

Tudo bem que as pessoas costumam desabilitar o tal radar orkutico, mas eu não acho legal. Acho educado deixar a bina ligada. Acho necessário que algumas pessoas saibam que passamos por lá, e não é sempre que tenho a paciência de deixar um "oi, como vai?" pra registrar a visita.

E eu gosto de ver os nomes dos meus visitantes, me deixa feliz. Deve ser carência, mas é legal ver que um velho amigo visitou, ou que um amigo do amigo do amigo passou por lá.

E não costumo entrar no orkut de quem eu não devo. Então até agora acho essa coisa de bina muito linda.

Mais considerações sobre novidades e velharias do orkut em próximos posts. Por sinal tenho várias idéias de posts, mas sempre penso nelas quando não estou perto do computador. E quando sento pra "verbalizar", elas me escapam. Paciência. Uma hora eu acerto o passo.

Beijos da Lola


PS adicionado depois do texto postado: O relógio do blog está louco. São 00h18.

sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Padrinho!

“Dois poderosos mitos fizeram-nos acreditar que o amor podia, devia sublimar-se em criação estética: o mito socrático (amar serve para criar uma multidão de belos e magníficos discursos) e o mito romântico (produzirei uma obra imortal escrevendo a minha paixão).”

Roland Barthes, Fragmentos de um discurso amoroso, 1977

quarta-feira, 7 de novembro de 2007

Memê da página 161

A Butterfly me enviou um memê. Funciona assim:

1ª) Pegar um livro próximo (PRÓXIMO, não procure);
2ª) Abra-o na página 161;
3ª) Procurar a 5ª frase completa;
4ª) Postar essa frase em seu blog;
5ª) Não escolher a melhor frase nem o melhor livro;
6ª) Repassar para outros 5 blogs.

Eu não repasso memês. É uma política da casa. Mas se você gostou, pode repetir no seu blog!

A tal frase é a seguinte:

"Um mês e alguns dias depois do meu quase-assalto, em fevereiro, às cinco da tarde, recebi um telefonema de Oliveira, porteiro do edifício onde meus pais moravam, pedindo que eu e Nara fôssemos para lá com urgência. Ao chegar, encontramos minha mãe na portaria. Oliveira me chamou num canto e disse que tinha ordens expressas do meu pai para não deixar que nenhuma de nós subisse. Ele, Oliveira, deveria entrar sozinho no apartamento (estava com a chave), mas só quando já estivéssemos as três no prédio. Minutos depois, ele voltou dizendo que meu pai estava morto; havia se trancado na cozinha, abrira os bicos de gás e dera um tiro na carótida".

Quase tudo
Memórias
Danuza Leão

Hate tastes better than Haagen Dazs


É muito difícil duas pessoas conseguirem o que vou denominar aqui de "correspondência plena" no amor.

Geralmente um se esforça mais do que o outro. Outra hora o outro quer mais que o um. São raros os momentos onde a coisa é perfeitamente balanceada. E isso eu chamo de "desequilíbrio natural" do amor.

E, de acordo com a minha teoria mequetrefe, é isso que ocasiona leves corrosões, que terminam com grandes abalos sísmicos.

Não se pode encontrar os culpados. Isso é um problema do cosmos. Posição dos planetas, disposição das luas, signos, ascendentes, descendentes.

Já foi a vez de um querer mais, já foi a vez do outro. Já passou outra vez pro um, já repassou outra vez pro outro. E pronto. Ninguém mais quer a batata. O pepino. A bola. Whatever. Ninguém mais quer.

Mas nada é mais azedo do que um amor não correspondido. Quando você ainda insiste na busca pela tal correspondência plena, ainda no plano do desequilíbrio natural, e percebe que o desequilíbrio natural acabou. Porque o colega do outro lado da gangorra foi embora.

Até se ligar que o colega foi mesmo embora demora um pouco. Você fica ali esperando. "Ele foi comprar cigarros", "Ele foi buscar um sorvete", "Ele foi pegar algodão-doce". E fica aquele amargo na boca.

E aí desculpas acabam e você constata: "É, realmente. Ele não volta mais".

Chegou a hora de pegar a bola e ir embora. E você, até agora triste, fica então com ódio.

E baby, eu vou te contar: Ódio é melhor que Haagen Dazs!


Beijos da Lola, docinha, docinha.

terça-feira, 6 de novembro de 2007

Céu Embaixo


17

Janelas, escancaradas janelas do 17º andar, aqui vou eu, aqui vai toda essa minha estúpida vontade de apagar a luz, única maneira decente de apagar a dor.


16

Décimo sexto andar. Até aqui, tudo bem. A temperatura está a 17 graus, o céu azul, e a lei da gravidade continua funcionando com o costumeiro rigor. Quem partiu, tem que chegar.


15

Ao passar pelo 15º andar, já não acho mais que quem partiu tem que. Está provado que é possível, em certos casos, partir sem chegar a. Nesses casos, se diz, houve empate. Eu não jogava pelo empate. Jogava pelo escândalo, vitória ou derrota. Foi vitória? Derrota? Tem gente que prefere abrir o gás. Tem quem se dedique à pesca submarina. Em nenhum desses casos, o fim é algo de último, a meta não é definitiva. Qual era o jogo dela? Fosse qual fosse, amigos, amigos, jogos à parte.


14

Só quem já caiu de um 1º andar pode imaginar o que senti quando. Quando foi mesmo? Será que foi? Ou foi um peso que tirei de cima de mim? Peso por peso, prefiro o meu, que, pelo menos, me leva para algum lugar.


13

Pronto. Treze é meu número de azar favorito. Tenho outros números de azar. Um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete, por exemplo, essas coisas, enfim, que atravessam as réguas de cálculo. De todos, 13 é o meu predileto. Que foi que fiz para merecer cair até o 13º andar, donde se descortina um relance do Atlântico? Quem sabe eu não devia ter, vocês sabem. Vai ver, aquela nuvem lá longe não passa de um eco de um pensamento meu. A raiva é sábia.


12

Alguma coisa não pára de me dizer, não devia ter vindo. Eu sabia que a comida era péssima, o atendimento sempre ficava a desejar. Mas, depois de vindo, como desvir? O 12º é sempre o mais filosófico. Aquele onde o ato de pensar fica mais ridiculamente genérico. Cair não é genérico. Cair é a coisa mais natural do mundo. Cair é lógico. Podem perguntar para qualquer pedra do planeta Terra.


11

O 11º andar é sempre um caso à parte. Talvez melhor dissessem um caos à parte. Mas isto não seria correto. O correto consiste em dizer: o 13º andar, donde se descortina um relance do Atlântico, sim, o mais correto, é deixar cair.


10

Não sei como suporto esta situação. º absolutamente ridículo. Só porque alguém saltou do 17º andar de um edifício não quer dizer necessariamente que tenha que chegar até um, digamos, décimo andar. O décimo andar, em casos de queda, é objeto e motivo de lendas e chacotas entre muitos povos primitivos que, absorvidos por outros afazeres mais prementes, deixaram-nas cair no esquecimento, onde jazem até hoje. Mas jazem muito bem. As lendas sobre o décimo andar, ainda vai haver quem as conte. Palavra de honra.


9

Que frio. Bem que minha mãe falou, leva um casaco. Sempre assim. A cabeça não pensa, o corpo é que sofre. O que eu queria mesmo era ficar para sempre no 12º andar.


8

Ela, ela mora no 12º andar. Ao passar, quase dei um alô. Ela não entenderia. Telefonaria para a mãe. Fritaria um ovo. No máximo, olharia para baixo. Ou para cima, para ver de onde eu tinha vindo.


7

Parece mentira, mas cheguei ao 7º andar. A que ponto chegamos! Nessa velocidade, a lembrança do 12º andar parece apenas uma lembrança. A física ensina que os corpos têm sua queda acelerada à medida que se aproximam do destino. Não vejo por que deveria ser diferente comigo. A lei da gravidade é a mais democrática de todas. Rege, com idêntico rigor, gregos e troianos, jóias e paralelepípedos, impérios e pétalas de magnólia. Sete é conta de mentiroso. Ela me mentiu. Nada mais fácil que mentir que se ama alguém. Basta dizer: eu te amo. Quem vai saber? Como medir? Como provar? As palavras também estão sujeitas à lei da gravidade?


6

No sexto, fica a administração. É o andar mais frio e mais distante. É onde se tramam as grandes negociações, onde ficam os cofres com os segredos indecifráveis. Chegar ao sexto andar é a ambição de todo corpo que cai. Os que não. A poucos é dada essa proeza. Os que fracassam, fatalmente, continuarão caindo até o quinto, onde ficam os infernos.


5

Do antigo inferno, o moderno só traz o nome. Na verdade, o inferno de hoje, no quinto andar, é um dos andares mais agradáveis do edifício, dispondo de amplas instalações, sala, cozinha, banheiro, área de serviço e quarto de empregada. Os banheiros são revestidos de material à prova de fogo, precaução inútil, já que neste prédio raramente ocorre algum incêndio de proporções catastróficas. Da janela do quinto andar, avista-se o letreiro que diz, PROIBIDO CAIR.


4

Ninguém nunca soube para que servia o quarto andar. Sempre se imaginou que era uma espécie de depósito onde se guardavam as coisas que não serviam mais para os andares de cima, garrafas vazias, móveis usados, lâmpadas queimadas, livros já lidos, óculos quebrados, espelhos, diários, relógios.


3

Deus queira que esta saudade do 12º permaneça acesa durante todo este andar, durante o frio, o vento, a angústia, a raiva e a força maior deste poder que me chama.


2

Não há muito a dizer, nunca há. Meia dúzia de palavras resolvem problemas de mil anos atrás. Fomos nos dizendo cada vez menos Dizer sempre é uma outra coisa.


1

O chão é duro.

p. leminski - Céu embaixo

(do livro Gozo Fabuloso)

(in jornal Folha de S. Paulo, mais!, p.12, 15 de agosto de 1999)


Imagem
Autor:
André Viegas
(in http://olhares.aeiou.pt/ny_4/foto1556115.html)

domingo, 4 de novembro de 2007

Discípulas de Nigella

Na abertura do "Coisas que não podemos ter", reclamei da ausência de comida mexicana na minha pequena cidade de brinquedo.

Mas como todos sabem, reclamar é fácil. E comecei a ficar incomodada com tanta reclamação e nenhuma atitude...

Então, resolvendo ter um pouco mais de ação e inspirada por minha querida Nigella, nesta última sexta resolvemos (eu, minha irmã e uma amiga) fazer uma "Girls and Tacos Night"!!

Agora posso ter comida mexicana por uma semana, já que é ÓBVIO que três garotas não comeram tudo isso numa única noite...

Caso você também esteja passando por um momento "Minha vida é um saco porque não posso comer comida mexicana", saia já da frente do computador e vá para o supermercado comprar:

PARA OS TACOS:

- 450g de carne
- 450g de mussarela ralada
- cheddar (de preferência aquele que vem numa bisnaguinha. Você não vê o cheddar na foto porque eu não achei no super, então dessa vez foi taco sem cheddar!)
- pimentão
- tomate - limão
- alface (eu não gosto de alface, e o nosso estava feio, por isso ele foi dispensado, mas pra quem gosta, fica bonito e gostoso!)
- massa pronta para tacos (caso não tenha na sua cidade eu não posso ajudar!)
- tempero mexicano (que é da mesma marca da massa pronta, mas você pode inventar também, porque inventar dá super certo!)

Doure a carne, depois acrescente o tempero com meia xícara de água. Deixe cozinhar até a água secar.
Coloque a massa pronta pra tacos por 5 minutos no forno. Depois tire do forno (não esqueça de desligar o fogo também!) e preencha a massa com tudo que você quiser.

PARA O SOUR CREAM:

O tempero mexicano costuma ser muito forte, e se você não quiser aquela sensação de estar cuspindo fogo, pode melhorar isso com o "Sour Cream". Ele "neutraliza" um pouquinho do sabor picante. Fizemos um monte, muito muito muito mais do que seria necessário. E como ficou muito bom, usamos numa torta pro almoço do dia seguinte, que também ficou sensacional.
Procurei a receita em alguns sites mas não achei nenhuma igual.

Então inventei esse, e todas nós concordamos que está igualzinho ao Sour Cream do restaurante mexicano que existia aqui na Lego's City:

- Creme de leite (use o de caixinha, porque é menos consistente)
- Cream cheese
- Iogurte natural


Bata tudo no liquidificador até ficar cremosinho igual o da foto.

Lembrando que essas medidas de creme de leite, cream cheese e iogurte natural são mais do que suficientes pra 3 pessoas. Na verdade, isso é sour cream pra 9 pessoas. Mas não ligamos pra isso, já que somos um pouco Nigella e inventamos receitas para o que fica na geladeira no dia seguinte!

A diversão é garantida, meus queridos!

Beijos da Lola-Lawson














sexta-feira, 2 de novembro de 2007

Quantos pés de chinelo pra ser feliz?

Minha avó tem uma estranha obsessão por chinelos.

Eu já andava curiosa por saber quantos seriam, já que vejo tantos pares de chinelo chegando em suas sacolas de compra, toda vez que ela se aventura pela cidade...

Pois hoje, procurando um chinelo meu que desapareceu misteriosamente, fui olhar no armário dela, pra verificar se a gentil senhora que trabalha aqui não teria trocado os guarda-roupas e acidentalmente colocado lá.

E lá estavam os chinelos. E eu não me aguentei. E contei: 10 pares. 20 pés de chinelo.

VINTE!

Sem contar o par que fica no quarto dela... ou seja, além do que ela usa, são necessários mais 10 por segurança. Em vários modelos, cores, formas, tipos e etc.

Este é um dos vários tipos de neurose que assolam minha família! Outro dia conto da coleção de travesseiros!

Beijos da Lola, ainda sem chinelo!

quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Coisas que eu não consigo ter

No momento estou aqui no meu casulo, filosofando com toda a mequetrefisse que Deus, o I Ching e os Orixás me deram...

"Vou mudar, minha vida vai ser diferente, tudo vai ser diferente". E eu tenho fé, de verdade.

Então começo a refletir um pouco mais, e um pouco mais, e um pouco mais.... algumas pessoas do outro lado da cidade já conseguem enxergar o que acreditam ser um sinal de fumaça, mas não people, é apenas o meu cérebro fundindo...

E então vem a constatação: não importa muito qual é o meu impulso, se é ser diferente ou melhor, se é mudar completamente ou só um pouco. A provável única verdade universal é que nunca vou conseguir gostar de um homem que saiba se comunicar, verbalizar, etc...

Tenho uma preferência até agora inexplicável por pessoas que não sabem "falar". Minha teoria é: Deve ser reflexo de alguma paixão mal resolvida no berçário...

Beijos da Lola

Ps: só pra explicar "mió", não me refiro a quem não sabe falar o português correto, e sim aos homens, "incríveis e aborígenes", que não sabem manifestar seus sentimentos.

Memê!!!!


A Erika, do Notas Descabidas, me indicou pra responder o memê. E com mil perdões à Aline, do Smile, pra quem eu prometi responder um outro memê ao qual fui indicada, este acaba sendo o primeiro "MEMÊ DOS NEURÓTICOS"!

Entre algumas respostas clichês e outras meio malucas, foi isso ai que eu consegui preparar! Desculpem mais uma vez pela falta de criatividade, mas estou em um período de reclusão total em meu casulo, pra tentar virar borboleta no feriado. Seja o que o Deus, o I Ching e os Orixás desejarem! - apesar da minha famosa teoria-não-revelada sobre o caos que assombra o mundo nos feriados!

No mais, FELIZ DIA DAS BRUXAS!! (Apesar da Erika ter explicado no Notas porque hoje não é dia das bruxas por aqui!)

Bitocas da Lola

Uma hora: 19h30

Um astro: Charon

Um móvel: Estante

Um líquido: Vodka

Uma pedra preciosa: Ônix

Uma árvore: Ipê branco

Uma flor: Girassól

Uma cor: Roxo

Um animal: Elefante

Uma música: Lola Stars and Stripes (Stills)

Um livro: A linguagem secreta do cinema (Jean-Claude Carriere)

Comida: Mexicana

Um lugar: Espanha

Um verbo: Falar

Uma expressão: Grito

Um mês: Julho

Um número: 8

Um instrumento musical: Gaita de fole

Estação do ano: Outono

Um filme: Brilho Eterno

Coisas que não podemos ter


Além de McDreams, ainda somos privados de outras coisas!

Estou com um inacreditável e insuportável desejo de comer comida mexicana. Só tem um problema: na cidade-lego essa maravilha não existe mais. Contento-me então com um copo d'água.
Está inaugurada a mais nova seção do blog - por sinal, estes dias cheio de estréias...

Passe mais vezes por aqui e confira mais "Coisas que não podemos ter".

Beijos da Lola

terça-feira, 30 de outubro de 2007

Aumentando a audiência


Já havia discutido com algumas pessoas meios de levantar esse blog, que anda meio derrubado.

Então hoje eu vou apelar. Na falta de criatividade, com vocês, Eric Dane!

Ele dispensa comentários. Mas pra quem não é viciado em Grey's Anatomy eu ajudo: Este é o rival do McDream, o famoso McSteamy.

Quem precisa de um McDream? Gente, manda um Dr. Sloane embrulhado pro jantar! A-go-ra.

Este post é dedicado a todas as mulheres que desistiram - mesmo que por 10 minutos - de encontrar um homem de verdade, bonito, inteligente, etc, que saiba verbalizar seus sentimentos, e que goste de mulheres.

E já que McDream não existe, vamos nos jogar em McSteamy.
















Beijos da Lola

segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Discutindo ações e reações




"Para cada ação há sempre uma reação oposta e de igual intensidade"

3a lei de Newton


Suponhamos aqui uma hipotética relação onde duas pessoas se gostam. Não, melhor. Duas pessoas que se gostam muito.

De repente, não mais que de repente, esse relacionamento se desgasta, por N razões. Um tenta impor sua certeza ao outro e o outro tenta achar a culpa do um. E tudo isso de maneira muito confusa, o que acaba por gerar novos desgastes, mais chateações, além de uma série de outros problemas.

Minha teoria é de que que tal desgaste está muito mais na maneira como o nosso corpo se acostumou a receber as atitudes do outro do que nas atitudes em si.

Como? O corpo acostuma a responder de determinada maneira específica ao perceber a mínima manifestação de uma determinada atitude.

Um simples "não", em certa altura do campeonato, pode ocasionar uma verdadeira batalha naval. "Não" se torna algum tipo de termo proibido na relação. "Não" é lido como uma negativa gigantesca à alguma necessidade-necessária do cônjuge. E então fica mais ou menos assim:

Não = "ele não me ama, que ele não me quer, ele não tem mais vontade de me agradar, ele não quer fazer nada por mim".

E o inofensivo "por que?"? Imagine a reação que um pequenino "por que?" pode desencadear...

"Por que ela precisa saber o "por que?" Ela não acredita, não confia, quer controlar?"

Neste momento o fiél leitor deste blog se pergunta, coçando a cabeça: e agora, o que será destas duas pessoas que se gostavam tanto? Acredito que uma possibilidade é que as duas se afastem infinitamente, de preferência devem até mudar de continente, até que esqueçam as fisionomias um do outro, evitando assim que haja um conflito maior que o da batalha naval ou disputa do War Império Romano.

Mas acho que é provável que se um dia, por acaso, conseguirem mudar a química da reação, pode ainda haver uma possibilidade de esperança, de que estas pessoas voltem a se relacionar pacificamente, e quem sabe até, fazendo força e utilizando um pouco de otimismo, se relacionem ainda melhor do que antes.

Sem mais mequetrefadas por enquanto!


Beijitos da Lola


Ps: Daniel, tá vendo? Não usei A, B, ou C...espero que tenha ficado menos complicado dessa vez.

Ps2: Erika, o memê vem daqui a pouco, eu ainda não consegui definir uma música rs

sexta-feira, 26 de outubro de 2007

A poesia do McFlurry

Num primeiro momento, aos mais assíduos leitores deste blog, pode parecer que este post falará das investidas de um novo pretendente. Mas caríssimos 4 leitores assíduos, sinto muito em informar que os desapontarei!

Hoje sai 17h30 do jornal. Pra quem não conhece a cidade-lego, o jornal fica bem próximo a uma praça, a praça da Catedral. De lá saem os ônibus que levam os estudantes para as universidades das redondezas.

Passava por ali, no meio dos universitários, em volta dos ônibus...

E de repente....bate aquela saudade da facul. Não saudadinha normal que sinto frequentemente. Uma saudade forte que acredito não ter sentido de verdade até agora, 10 meses depois do final.

Veio aquela saudade dos corredores, dos professores, dos amigos, conhecidos, rostos comuns que por ali circulavam, das conversas, das vozes. Enfim, saudade.

E veio uma sensação muito estranha, como se de repente eu não tivesse nenhum problema, como se tudo fosse só aquela lembrança gostosa.

E então, pela primeira vez na minha vida, comprei um sorvete sozinha.

Escolhi um McFlurry de caramelo e voltei caminhando pra casa, feliz, como se o mundo inteiro fosse doce daquele jeito.


Beijos da Lola - cujo estado de espírito hoje já foi revelado nas linhas acima.



Modernas tentativas frustradas de comunicação

Vamos direto ao exemplo prático nada claro:

Hoje, tentei falar com a pessoa A.

A pessoa A não atendeu ao telefone.

Enquanto isso, a pessoa B me ligou. Mas como eu não queria falar com a pessoa B, em vez de ser gentil e aproveitar sua cordialidade, hospitalidade e amizade - e desabafar com ela - a dispensei rapidamente.

Quando enfim a pessoa A me ligou, eu estava encontrando a pessoa C, e então não pude falar como eu queria com a pessoa A. No final, o papo com a pessoa C foi sensacional, apesar de perturbador. E eu não falei direito nem com A e nem com B.

Acho que as pessoas deveriam passar mais tempo em silêncio. Ou então eu deveria falar com menos pessoas por dia, pra não atribular. Ou ainda, deveria aproveitar melhor pra conversar quando recebo uma ligação. Ou todas as alternativas anteriores estão corretas (X).

Você tem mais alguma sugestão?

Beijos da Lola, no momento mãe solteira deste blog.

quarta-feira, 24 de outubro de 2007

"Tódinho"

Eu sou uma viciada em toddynho, assumida. Toddynho e todas as suas variações, todas carinhosamente por mim chamadas de "tódinho", seja de nescau, do pão de açúcar, hersheys, etc.

Dessa vez compraram, por descuido, tódinho de leite de soja. Eu torci o nariz e relutei....mas ontem, no ápice de minha insonia, resolvi experimentar...pois já disseram as meninas do 02 neurônio: toddynho acalma a alma.

Pois bem. Experimentei. E foi tão ruim que até fui dormir depois dessa.... O negócio tem gosto de queimado! Até agora meu estômago tá revirando....

Alguém mais já experimentou? Alguém mais achou tão horrível quanto eu?

Sem beijo da Lola, porque no momento ela está enjoada!

Sobre o sono

A reportagem no New York Times "Uma máquina ativa, com propósito, que sai à noite para brincar" anuncia alguns dos conhecidos benefícios do sono. E conta algumas novas particularidades, sobre a relação de qual período do sono seria, teoricamente, relacionado à determinada atividade, por exemplo:

"Em uma série de experiências que iniciou no começo dos anos 90, Carlyle Smith, da Universidade de Trent, no Canadá, encontrou uma forte associação entre a quantidade de sono do estágio 2 que uma pessoa tem e a melhoria no aprendizado de tarefas motoras. Dominar uma guitarra, um taco de hóquei ou um teclado são todas tarefas motoras.

Os músicos, entre outros, sentem isto há eras. Uma peça que frustra os dedos durante a prática noturna freqüentemente flui pela manhã. Mas apenas nos últimos anos a ciência os alcançou e deu forma prática ao que sabiam instintivamente.

Por exemplo, Smith disse que as pessoas costumam ter grande parte de seu sono do estágio 2 na segunda metade de noite. "A implicação disto é que se você está se preparando para uma apresentação, um recital de música, digamos, ou uma exibição de skate, é melhor ficar acordado até tarde do que acordar realmente cedo", ele disse em uma entrevista. "Estes treinadores que fazem os atletas ou artistas acordarem às 5 horas da manhã, eu acho que é loucura."


Bom, tudo isso é pra falar que, além da reportagem ser interessante...eu perco o sono quando coisas boas acontecem. E se a falta de sono for proporcional a euforia... eu provavelmente não durmo essa noite.

Até o presente momento até evito assistir ao episódio da semana de Grey's Anatomy, pra não me influenciar e colocar em jogo a minha sensível alegria...

Sem mais blablablás,

Beijos da Lola-insone-por-bons-motivos